terça-feira, 25 de novembro de 2008

Púlpito Vazio


Estou triste.

Nossos púlpitos estão vazios de poder do Alto, porque fora deles, o auto poder está regendo os chamados pastores.

Jás os pastores Chamados, transformam em púlpito qualquer circunstância em que se encontram e exalam a presença de Deus com suas palavras.

Que saudade.

segunda-feira, 24 de novembro de 2008

Abrir igrejas - uma doença contagiosa


Estou ficando doente com essa coisa de abrir igrejas. Nesse fim de semana me vi olhando para o teto de uma igreja e contando quantos equipamentos de ar condicionado estavam por ali refrencando nosso corpo. Tudo bem, até ai. Depois fiquei calculando o preço de cada um... e quanto seria a despesa elétrica daquele templo em cada mês. Ai me lembrei da planilha de custos dos campos que já abrimos.

Não estou aqui dizendo que todo mundo tem que "assar" durante um culto. Mas todos tem que saber que enquanto estamos desfrutando do ar fresco em muitos de nossos templos, existem lugares onde não existe um templo. Onde ainda não chegou uma igreja.

Eu tenho em minha mente uma matemática simples. Já aprendi com quanto de dinheiro se abre uma igreja. Tudo que vejo pela frente eu transformo em fração de igreja/mês. Pode ser doentio, mas minha oração é que, pelo menos pra minha vida, sirva de alguma coisa.

sexta-feira, 21 de novembro de 2008

Arrancadão de Rolemã

video

A Primeira Igreja Batista de Matelândia já organizou dois Arrancadões de Rolemã. Voltando a ser criança, dezenas de pilotos se aventuraram nesta emocionante brincadeira. Vale a pena conferir o vídeo.

domingo, 14 de setembro de 2008

Que Faria Jesus?


Cerca de 50 jovens de nossa igreja abraçaram o desafio de nos próximos 40 dias, em tudo o que fizerem, perguntar "Que Faria Jesus?" (QFJ? na pulseira). Com os joelhos no chão esta juventude se comprometeu em ter uma vida nos passos de Jesus. "Aquele que diz estar nele, deve andar como ele andou"(1 João 2.6). Orem por nós... teremos uma programação muito desafiadora.

sexta-feira, 5 de setembro de 2008

e3 Partners

Estive ontem (4/9) com os irmãos da Missão e3 Partners. Quem sabe estabeleceremos algum tipo de parceria no futuro... Mas o que mais me alegrou é a semelhança de trabalho que temos (Barnabé/e3) mesmo com origens tão distintas. O Espírito é mesmo. Mesmo.

sexta-feira, 29 de agosto de 2008

Salvação sem arrependimento?


Onde você estará daqui a 100 anos? A maioria dos cristãos nominais de hoje estarão no inferno. Esta afirmação pode parecer loucura ou exagero. Quem sabe até uma posição radical demais... Mas não é. Trata-se somente de uma constatação. Enganados por uma casca de espiritualidade e refugiados em uma religiosidade funcional, caminham muitos para a perdição eterna.
Não são poucos os que povoam os bancos das igrejas e dividem seu tempo com práticas que afrontam a Deus. Perseveram na vida dupla, ignorando a ânsia de vômito que isto provoca no Senhor. Passarão a eternidade se lembrando que as mãos erguidas na falsa adoração e as lágrimas cheias de emoção derramadas em muitas ocasiões não puderam lhe tirar do inferno. Movimento externo sem mudança interna é falsidade. Não pode iludir o olhar de Deus.
Estes são os mesmos que não entendem (ou não querem entender) porque as coisas continuam dando errado em sua vida pessoal. Costumam culpar a Deus, culpar a igreja, e resistem em se olhar no espelho. Ignoram a santidade do Senhor e Sua incapacidade de se relacionar com os que, conhecedores de Seus atributos, mantém suas mãos sujas – impregnadas de pecado. Esperam o que não poderão receber de Deus.
É provável que a culpa seja nossa. A igreja Evangélica atual está produzindo cristãos em série. Homens e mulheres, atraídos pelos programas e sugestões de vida sadia (física e espiritual), aproximam-se das igrejas... Submetem-se aos seus sistemas... Integram-se aos seus grupos... Aprendem seus princípios... Mas não conhecem o ARREPENDIMENTO!
Esta é a lição que relutam em aprender. Sem arrependimento não há nova criação. Era o que faltava no Jovem Rico, que insistia no conhecimento religioso como sua tábua de salvação. Era o nascer de novo para Nicodemos, escravo da tradição. Era a eternidade com Deus garantida a Zaqueu após sua disposição para a mudança de atitude.
Que não sejam tão legalistas procurando sanar o problema deixando de fazer isto ou aquilo. Mas, que se preocupem com a motivação para isto ou aquilo. Mudança de mente é arrependimento. Reflete em abandono, renúncia e transformação. Se não existe mudança, continuam os mesmos... E sobre estes PERMANECE a ira de Deus.
“Não adianta ir a igreja e cantar louvor... Ler um salmo ou um folheto dar, se sua vida não está como a Bíblia diz... Você não é capaz de o servir”(Grupo Elo)

quinta-feira, 28 de agosto de 2008

Tia Lúcia


Tia Lúcia teve uma isquemia e foi induzida ao Coma, desde ontem (quarta-feira / 27 de agosto). Estou acompanhando à distância, pois ela está em Varginha/MG, mas nunca me senti tão perto. É muito difícil não ter o controle da situação. A dependência de Deus é o refúgio. Se você puder, ore por ela e por sua família... Tio Beto e os meninos - Weiller e Rodolfo.

terça-feira, 29 de julho de 2008

Missão Barnabé inaugura mais uma Frente Missionária no Paraná


No período de 12 a 26 de julho foi realizado na cidade de Vera Cruz do Oeste (PR) o 5º Projeto Barnabé, deixando plantada a primeira Frente Missionária dos Batistas na cidade. Uma equipe de 100 voluntários vindos de vários municípios do Brasil, representando mais de 20 igrejas batistas, trabalhou duro com evangelismo diversificado alcançando toda a população da cidade (aproximadamente 10.000 habitantes).
As estratégias de conquista foram muitas. Tendo como base o Recenseamento, quando centenas de estudos bíblicos foram marcados, o Evangelho foi compartilhado através de trabalhos específicos para todas as faixas etárias. Diariamente a comunidade era atendida com Oficinas de Teatro, Coreografia, LIBRAS e Artesanato. Além disso, as crianças tinham seu espaço, tendo contato com o Evangelho através de histórias, fantoches e palhaços. A zona rural foi alcançada com a Operação Campo e os doentes foram evangelizados em seus leitos. Mais de 4000 folhetos foram distribuídos e quase 1000 Evangelhos de João chegaram às mãos de pessoas sem Cristo. Nos cultos realizados no novo templo da Frente Missionária dezenas de pessoas se entregavam a Cristo todos os dias, iniciando o processo de conversão.
Um dia inteiro foi dedicado ao atendimento social . Na equipe deste ano estiveram prestando atendimento voluntário: dois médicos, duas psicólogas, duas dentistas, uma fonoaudióloga, uma veterinária, três enfermeiros, sete pastores e dezenas de cabeleireiros e manicures. O projeto Boa Leitura, da Igreja Batista Jardim São Paulo, de Foz do Iguaçu, reforçou a equipe trabalhando com as crianças neste dia. Centenas de pessoas foram abençoadas com este trabalho e o projeto recebeu menção honrosa do município.
A Missão Barnabé, da PIB de Matelândia (PR), deixa como obreiros os missionários Pr. Harley Christian Pereira Carvalho e Rozeane Soares Bertolozo Carvalho, além da pequena Cléo, filha do casal. Chegaram com a equipe de projetistas e já estão com residência fixa em Vera Cruz dando prosseguimento ao trabalho de acompanhamento aos novos decididos e aplicando os estudos bíblicos marcados. Uma equipe da PIB Matelândia estará dando suporte semanalmente ao trabalho.
Em quatro anos de existência, a Missão Barnabé realiza seu 5º Projeto Missionário e abre sua 4ª Frente Missionária (o 1º projeto foi em Matelândia). Já foram alcançadas as cidades de Ramilândia, Céu Azul, Capanema e Vera Cruz. Para o próximo ano duas cidades já estão na alça de mira... Santa Helena e Chopinzinho. Uma delas receberá a equipe da Missão. O desafio se amplia a partir de 2010, quando a meta será plantar duas igrejas... E seguir assim daí por diante.
O sustento dos campos é obtido graças à visão da PIB Matelândia em investir a maioria de seus recursos no evangelismo pioneiro, bem como a parcerias com algumas de nossas igrejas e diversos irmãos em todo o Brasil.
Para saber mais sobre a Missão e o Projeto Barnabé. Visite o site:
www.pibmatelandia.slog.com.br. No próximo ano você poderá ser mais um missionário Barnabé e ter sua vida cristã transformada para sempre, com uma das experiências mais marcantes que já viveu.

Fabrício Silveira – pr.fabricio@globo.com
Pastor da 1ª Igreja Batista de Matelândia

quinta-feira, 12 de junho de 2008

O coração de um pastor de verdade



Estou cansado!(*)

Cansei! Entendo que o mundo evangélico não admite que um pastor confesse o seu cansaço. Conheço as várias passagens da Bíblia que prometem restaurar os trôpegos. Compreendo que o profeta Isaías ensina que Deus restaura as forças do que não tem nenhum vigor. Também estou informado de que Jesus dá alívio para os cansados. Por isso, já me preparo para as censuras dos que se escandalizarem com a minha confissão e me considerarem um derrotista. Contudo, não consigo dissimular: eu me acho exausto.Não, não me afadiguei com Deus ou com minha vocação. Continuo entusiasmado pelo que faço; amo o meu Deus, bem como minha família e amigos. Permaneço esperançoso. Minha fadiga nasce de outras fontes.


Canso com o discurso repetitivo e absurdo dos que mercadejam a Palavra de Deus. Já não agüento mais que se usem versículos tirados do Antigo Testamento e que se aplicavam a Israel para vender ilusões aos que lotam as igrejas em busca de alívio. Essa possibilidade mágica de reverter uma realidade cruel me deixa arrasado porque sei que é uma propaganda enganosa.


Cansei com os programas de rádio em que os pastores não anunciam mais os conteúdos do evangelho; gastam o tempo alardeando as virtudes de suas próprias instituições. Causa tédio tomar conhecimento das infinitas campanhas e correntes de oração; todas visando exclusivamente encher os seus templos. Considero os amuletos evangélicos horríveis.


Cansei de ter de explicar que há uma diferença brutal entre a fé bíblica e as crendices supersticiosas.Canso com a leitura simplista que algumas correntes evangélicas fazem da realidade. Sinto-me triste quando percebo que a injustiça social é vista como uma conspiração satânica, e não como fruto de uma construção social perversa. Não consideram os séculos de preconceitos nem que existe uma economia perversa privilegiando as elites há séculos.


Não agüento mais cultos de amarrar demônios ou de desfazer as maldições que pairam sobre o Brasil e o mundo.Canso com a repetição enfadonha das teologias sem criatividade nem riqueza poética.


Sinto pena dos teólogos que se contentam em reproduzir o que outros escreveram há séculos. Presos às molduras de suas escolas teológicas, não conseguem admitir que haja outros ângulos de leitura das Escrituras. Convivem com uma teologia pronta. Não enxergam sua pobreza porque acreditam que basta aprofundarem um conhecimento “científico” da Bíblia e desvendarão os mistérios de Deus. A aridez fundamentalista exaure as minhas forças.


Canso com os estereótipos pentecostais. Como é doloroso observá-los: sem uma visitação nova do Espírito Santo, buscam criar ambientes espirituais com gritos e manifestações emocionais. Não há nada mais desolador que um culto pentecostal com uma coreografia preservada, mas sem vitalidade espiritual. Cansei, inclusive, de ouvir piadas contadas pelos próprios pentecostais sobre os dons espirituais.Cansei de ouvir relatos sobre evangelistas estrangeiros que vêm ao Brasil para soprar sobre as multidões. Fico abatido com eles porque sei que provocam que as pessoas “caiam sob o poder de Deus” para tirar fotografias ou gravar os acontecimentos e depois levantar fortunas em seus países de origem.


Canso com as perguntas que me fazem sobre a conduta cristã e o legalismo. Recebo todos os dias várias mensagens eletrônicas de gente me perguntando se pode beber vinho, usar “piercing”, fazer tatuagem, se tratar com acupuntura etc., etc. A lista é enorme e parece inexaurível. Canso com essa mentalidade pequena, que não sai das questiúnculas, que não concebe um exercício religioso mais nobre; que não pensa em grandes temas. Canso com gente que precisa de cabrestos, que não sabe ser livre e não consegue caminhar com princípios. Acho intolerável conviver com aqueles que se acomodam com uma existência sob o domínio da lei e não do amor.


Canso com os livros evangélicos traduzidos para o português. Não tanto pelas traduções mal feitas, tampouco pelos exemplos tirados do golfe ou do basebol, que nada têm a ver com a nossa realidade. Canso com os pacotes prontos e com o pragmatismo. Já não agüento mais livros com dez leis ou vinte e um passos para qualquer coisa. Não consigo entender como uma igreja tão vibrante como a brasileira precisa copiar os exemplos lá do norte, onde a abundância é tanta que os profetas denunciam o pecado da complacência entre os crentes.


Cansei de ter de opinar se concordo ou não com um novo modelo de crescimento de igreja copiado e que vem sendo adotado no Brasil.Canso com a falta de beleza artística dos evangélicos.


Há pouco compareci a um show de música evangélica só para sair arrasado. A musicalidade era medíocre, a poesia sofrível e, pior, percebia-se o interesse comercial por trás do evento. Quão diferente do dia em que me sentei na Sala São Paulo para ouvir a música que Johann Sebastian Bach (1685-1750) compôs sobre os últimos capítulos do Evangelho de São João. Sob a batuta do maestro, subimos o Gólgota. A sala se encheu de um encanto mágico já nos primeiros acordes; fechei os olhos e me senti em um templo. O maestro era um sacerdote e nós, a platéia, uma assembléia de adoradores. Não consegui conter minhas lágrimas nos movimentos dos violinos, dos oboés e das trompas. Aquela beleza não era deste mundo. Envoltos em mistério, transcendíamos a mecânica da vida e nos transportávamos para onde Deus habita. Minhas lágrimas naquele momento também vinham com pesar pelo distanciamento estético da atual cultura evangélica, contente com tão pouca beleza.


Canso de explicar que nem todos os pastores são gananciosos e que as igrejas não existem para enriquecer sua liderança. Cansei de ter de dar satisfações todas as vezes que faço qualquer negócio em nome da igreja. Tenho de provar que nossa igreja não tem título protestado em cartório, que não é rica, e que vivemos com um orçamento apertado.


Não há nada mais desgastante do que ser obrigado a explanar para parentes ou amigos não evangélicos que aquele último escândalo do jornal não representa a grande maioria dos pastores que vivem dignamente.


Canso com as vaidades religiosas. É fatigante observar os líderes que adoram cargos, posições e títulos. Desdenho os conchavos políticos que possibilitam eleições para os altos escalões denominacionais. Cansei com as vaidades acadêmicas e com os mestrados e doutorados que apenas enriquecem os currículos e geram uma soberba tola.


Não suporto ouvir que mais um se auto-intitulou apóstolo.Sei que estou cansado, entretanto, não permitirei que o meu cansaço me torne um cínico. Decidi lutar para não atrofiar o meu coração.Por isso, opto por não participar de uma máquina religiosa que fabrica ícones.


Não brigarei pelos primeiros lugares nas festas solenes patrocinadas por gente importante. Jamais oferecerei meu nome para compor a lista dos preletores de qualquer conferência. Abro mão de querer adornar meu nome com títulos de qualquer espécie. Não desejo ganhar aplausos de auditórios famosos.Buscarei o convívio dos pequenos grupos, priorizarei fazer minhas refeições com os amigos mais queridos. Meu refúgio será ao lado de pessoas simples, pois quero aprender a valorizar os momentos despretensiosos da vida. Lerei mais poesia para entender a alma humana, mais romances para continuar sonhando e muita boa música para tornar a vida mais bonita. Desejo meditar outras vezes diante do pôr-do-sol para, em silêncio, agradecer a Deus por sua fidelidade.


Quero voltar a orar no secreto do meu quarto e a ler as Escrituras como uma carta de amor de meu Pai.Pode ser que outros estejam tão cansados quanto eu. Se é o seu caso, convido-o então a mudar a sua agenda; romper com as estruturas religiosas que sugam suas energias; voltar ao primeiro amor. Jesus afirmou que não adianta ganhar o mundo inteiro e perder a alma. Ainda há tempo de salvar a nossa.


Soli Deo Gloria.
(*) Ricardo Gondim (AD Betesda)

Dia dos namorados


Quando eu não estiver mais aqui, ela vai se lembrar - tenho certeza - que tudo que fui, fui por ser ela quem estava ao meu lado.


Vitória em Céu Azul


Ontem foi um dia especial para nós em Céu Azul. Primeiro porque uma porta que estava fechada a sete chaves foi aberta pelo Senhor. A Escola Monteiro - onde ficamos hospedados no PB de 2006 - ficou à nossa disposição durante todo o dia.
Palestras, Filme e Teatro. O resultado foi que 25 jovens manifestaram o desejo de conhecer a Jesus. Glória a Deus.
Mais trabalho para nossa missionária Kelley.

domingo, 25 de maio de 2008

Sem tempo

Tá difícil arrumar tempo pra atualizar isso aqui.
Mas pode dar uma olhada no site da igreja... minha vida está por ali tb.
Acesse www.pibmatelandia.slog.com.br

Mas é só por hora. Acho que lá pra novembro vou estar mais livre.
Abraços.

terça-feira, 25 de março de 2008

Ansiedade

O nosso tempo não é igual ao tempo de Deus. Difícil é se submeter a isso.

sábado, 16 de fevereiro de 2008

Pr. Flávio toma posse em Foz do Iguaçu


Hoje foi a posse do Flávio na IB do bairro Jardim São Paulo em Foz. Depois de tê-lo trazido de Minas para o Paraná me sinto responsável por estar perto, acompanhando-o neste novo desafio em seu ministério. Convoco a todos para estarem orando por ele e por seu trabalho. Por aqui a gente já se ajeitou em Céu Azul com a Kelley - que está indo muito bem. Em Ramilândia e Vera Cruz estou eu mesmo por enquanto, mas em breve teremos novidades... Sempre orando! Abraço.

quinta-feira, 14 de fevereiro de 2008

Primeira Vez

Primeira vez em qualquer coisa é sempre especial. Até quando a experiência é ruim. Aqui não sei como vai ser. Não sei se é bom ter um Blog. É a primeira vez...
Garanto que vou ser sincero, mesmo que isso não agrade a todo mundo. De qquer maneira é mais uma forma de mostrar quem sou e de alguma forma contribuir com alguns.
Garanto que não vou ficar escrevendo aqui todo dia. Não tenho tempo. Abandonei outros recursos de comunicação tecnológicos porque não quero ser escravo de nada, a não ser da justiça. Mas vou tentar não passar em branco nos grandes acontecimentos pelo mundo. Isto engloba minha casa, minha igreja, minha missão, meus sonhos, e minha esperança.
No mais, espero lhe encontrar sempre por aqui. Fiquem na Paz.